22.6.18

O Mistério do Trem Azul - Resenha

Em mais um livro genial da rainha do crime, temos histórias que se cruzam, desavenças por heranças, assassinato e roubo de joias históricas. O Mistério do Trem Azul é o segundo livro da Agatha  Christie, dentre os que eu já li, em que o assassinato era cometido dentro de um trem. O outro foi Assassinato no Expresso do Oriente, sobre o qual já fiz uma resenha aqui no blog.

Título: O Mistério do Trem Azul
Título original: The Mistery of the Blue Traim
Autora: Agatha Christie
Ano da primeira publicação: 1928
Tradução: Carlos André Moreira
Editora: L&PM Pocket
Ano da edição: 2009
Número de páginas: 272
Gênero: Ficção, Suspense, Policial

Compre nos links abaixo e ajude a manter o blog: 

O livro já começa com a negociação do "Coração de Fogo", uma joia valiosíssima que pertenceu a mulheres importantes.  Alguns personagens nos são apresentados logo de início: Sr. Papopolous, um negociante de joias, Zia, a sua bela filha e o Sr. Marquês, que trava um diálogo bastante misterioso com o negociante. 

Em seguida, temos o milionário americano Rufus Van Aldin presenteando a filha Ruth Kattering com os rubis mencionados acima. O pai também propõe o divórcio da filha de seu marido Derek Kettering, um interesseiro, que não dá atenção à sua esposa. Claro que Derek fica muito bravo com a decisão de seu sogro, pois perderá uma fortuna, com a qual banca a amante, a dançarina Mirelle. 

Poucos dias depois, Ruth decide ir passar uns dias em Nice, na Riviera Francesa.  No mesmo trem viaja Katherine Gray, uma ex-dama de companhia que herdou uma fortuna de sua antiga senhora e agora resolveu aproveitar a vida. 

Chegando o trem ao seu destino, descobre-se que Ruth Kettering foi assassinada, desfigurada e teve seus valiosos rubis roubados.  Estaria o assassino no trem? Quem teria motivos para desfigurar a vítima?

Coincidentemente, o detetive aposentado Hercule Poirot estava a bordo do trem e mais uma vez resolve auxiliar a polícia francesa na resolução do mistério. E desta vez conta com a companhia e amizade da srta Grey para auxiliá-lo na resolução do crime. 

Como todo livro da Agatha, este também é cheio de reviravoltas, de soluções mirabolantes e já aviso que é bem difícil encontrar o assassino. Só que desta vez ele era um dos meus suspeitos. Yaay! 

Não digo que é o melhor livro da autora, mas este é realmente muito bom. Contudo, teve uma solução que foi meio que tirada da cartola, e isso considerei um ponto negativo. Uma coisa interessante que reparei é que a companhia que opera o Trem Azul é a mesma do Expresso do Oriente e o condutor deste trem aparece naquele livro também. 

Nota:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quero saber sua opinião! Ficarei muito feliz com o seu comentário!



Ilustração por Wokumy • Layout por